O futuro do Premier Access e filmes no Disney+ após 45 dias nos Cinemas


Atualizado em 25/05/2021

Premier-Access-Disney-Plus-1024x657 O futuro do Premier Access e filmes no Disney+ após 45 dias nos Cinemas

Em 2020, quando a pandemia fechou as salas de cinemas no mundo todo e cancelou diversos lançamentos, a Disney estava com o remake de Mulan pronto. O filme de US$ 200 milhões tinha tudo para ser um dos maiores sucessos de bilheteria do ano. Com a impossibilidade de estrear nas telonas da maioria dos países, a Disney apresentou o Premier Access, um recurso do Disney+ para permitir o acesso antecipado ao filme mediante pagamento de uma taxa adicional além da assinatura.

Entenda o que é o Premier Access (Acesso Premium) do Disney Plus
O GroupWatch Funciona em Filmes com o Premier Access do Disney+?

O que era pra ser, nas palavras de Bob Chapek, CEO da Disney, um evento único, acabou se repetindo com Raya e o Último Dragão, e vai acontecer novamente com Cruella, Viúva Negra e Jungle Cruise, cujos lançamentos também serão simultâneos nos cinemas e Disney+ com Premier Access.

E nesta segunda-feira (24), durante a sessão de perguntas em uma conferência virtual organizada pela instituição financeira J.P. Morgan, o principal executivo da The Walt Disney Company falou sobre o aprendizado que o Premier Access trouxe até o momento, qual é o futuro desse recurso, o motivo de Luca estrear gratuitamente no streaming e como a Disney imagina que os consumidores vão se comportar diante da estratégia de levar filmes dos cinemas para o Disney+ depois de 45 dias da exibição nas telas grandes.

O que vocês aprenderam até agora com esses diferentes métodos de distribuição durante o COVID?

Bem, uma das coisas que aprendemos é que a flexibilidade é boa porque há duas dinâmicas acontecendo. Uma é a disposição das pessoas em retornar aos cinemas e a capacidade de retornar de uma forma significativa. E a segunda é a mudança no comportamento do consumidor que está acontecendo naturalmente com o COVID provavelmente agindo como um catalisador, mas iria acontecer de qualquer maneira. E então temos essas duas dinâmicas ao mesmo tempo, e é aí que entra a flexibilidade, porque para nós, quer estejamos olhando para uma janela exclusiva de cinema com uma janela de tempo reduzida entre cinema e Disney+, ou se estamos olhando para um lançamento simultâneo de cinemas e Disney+ com Premier Access ou se estamos pensando em levar algo diretamente para o nosso serviço de streaming, estamos realmente celebrando essa flexibilidade.

A exibição nos cinemas para nós é uma coisa muito boa porque nos ajuda a construir nossas franquias, que então se voltaram para o ponto central da Disney e criaram tantas oportunidades em parques e produtos de consumo. Mas, como vimos com a bilheteria nos EUA e, em menor medida, a bilheteria internacional, isso parece estar se recuperando pelo menos em alguns mercados. Mas estamos vendo alguma hesitação em retornar a um estado que pareça o normal de 2019. E, como tal, durante esse tipo de período intermediário, é muito bom poder dar aos consumidores alguma flexibilidade.

Como vocês decidem qual filme será distribuído diretamente para o serviço ou por meio de Premier Access ou apenas nos cinemas?

Bem, há um monte de dados que temos que assimilar para tomar essas decisões. Mas a primeira consideração é se trata-se de uma grande franquia de cinema de sustentação, e se for, é algo como um filme da Marvel ou um filme da Lucasfilm, algo que desperta muito interesse, e é assim que aqueles fãs tendem a preferir consumir o filme.

Sobre a questão de Viúva Negra, já atrasamos o filme algumas vezes. Não queríamos atrasá-lo novamente. Ao mesmo tempo, sempre soubemos que havia o risco de a exibição não se desenvolver totalmente ou de os consumidores não quererem voltar para o cinema. Então percebemos que tínhamos que assumir o risco e dar uma chance à exibição nos cinemas, mas não podíamos colocar todos os nossos ovos na cesta de exibição porque sabíamos que nas semanas anteriores à decisão, o mercado interno não estava retornando e ainda está bastante fraco, então estamos realmente confiantes de que fizemos a escolha certa. Portanto, demos ao consumidor a escolha de assistir nos cinemas se se sentir confortável ou, se não estiver, assisti-lo no conforto e na segurança de sua casa.

Sobre a questão de Luca, quando você tem um serviço direto ao consumidor, aumentamos nosso investimento em conteúdo criativo para garantir que todos os canais de distribuição tenham um conjunto completo de ofertas para manter todos felizes, e em nenhum lugar isso é mais notório do que no Disney+. E queremos ter certeza, dada a importância do Disney+ para nós no mercado e nossos acionistas, que continuemos alimentando essa máquina e fazendo um filme de família maravilhoso como Luca no meio do verão e colocando-o diretamente no serviço. Teremos um impacto semelhante ao que vimos quando fizemos Soul no Natal, e isso foi um grande impulso para o Disney+. E acreditamos que Luca terá muitas visualizações, muitas pessoas vendo e muitas pessoas gostando, já que colocamos no serviço gratuitamente neste verão.


E então, em termos de janela exclusiva para o cinema, anunciamos dois títulos. Obviamente, anunciamos Shang-Chi e Free Guy, ambos com janelas de 45 dias reduzidas. E isso é mais tarde no verão, quando esperamos – esperamos, não tenho certeza, que o mercado de cinema se recupere mais plenamente, e esse tipo de distribuição exclusiva faça mais sentido. Mas, novamente, a flexibilidade é uma coisa boa. Em algum ponto, porém, você tem que dar um passo, como eu gosto de dizer, para sair da doca e entrar no barco. E acho que esses são os títulos em que vamos tentar e ver no que vai dar.

Você espera ver uma janela mais tradicional para a maioria dos filmes?

Bem, além deste ano fiscal atual, nós realmente não dissemos o que vamos fazer porque, novamente, estamos comemorando essa flexibilidade que demos a nós mesmos, de modo que não vamos tomar uma decisão que possamos nos arrepender, dependendo da dosagem ser muito conservadora ou muito agressiva. Então nós realmente não estamos nesse ponto ainda.

Em termos de divisões, acho que foi o CEO do Cinemark que disse: Não procurarei nenhuma mudança significativa nas divisões em relação ao que foram as divisões históricas. Então eu realmente não acho que isso necessariamente vai mudar. Acho que o consumidor está esperando as janelas mais curtas. Se temos um filme que passa nos cinemas por quatro ou seis semanas, não há muitos motivos para guardá-lo pelos próximos seis ou sete meses. E eu acho que os consumidores perceberam que eles têm o poder e podem fazer essas decisões. E somos uma empresa amiga do consumidor e seguiremos, portanto, as janelas de 45 dias.

Você acha que isso muda o comportamento do consumidor no sentido de que ele pode escolher entre não ir aos cinemas e esperar 46 dias ou é muito cedo para dizer?

46 dias, seis semanas, é muito tempo para esperar. Se você é fã da Viúva Negra, não vai esperar tanto tempo. Se você é um fã de Free Guy, você não vai esperar tanto tempo, se você é um fã de Shang-Chi, se você é um fã de Eternals, eu realmente não vejo seis semanas. Quer dizer, se você dissesse seis dias, talvez, mas vemos o fervor quando lançamos novo conteúdo no Disney+, como à meia-noite as pessoas correm para assistir a esse título. Não acho que as pessoas tenham tanta paciência, para ser honesto com você. Então, eu realmente não vejo isso como uma coisa causal. Acho que é um efeito da mudança de comportamento do consumidor.

Siga o Guia Disney+ Brasil nas redes sociais e fique por dentro das dicas, novidades e lançamentos do streaming da Disney.
• facebook.com/guiadisneyplus
• twitter.com/guiadisneyplus
• instagram.com/guiadisneyplus
• pinterest.com/guiadisneyplus

Via Whatsondisneyplus.


Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.