Madame Teia | Dakota Johnson reage às críticas: ‘Não me encaixo nesse mundo’

Dakota-Johnson-Madame-Teia Madame Teia | Dakota Johnson reage às críticas: 'Não me encaixo nesse mundo'

Madame Teia foi lançado recentemente nos cinemas e vem recebendo críticas predominantemente negativas, figurando entre os piores filmes de super-heróis já feitos, de acordo com sua pontuação de 12% no Rotten Tomatoes.

As bilheterias não foram as melhores, e apesar de Kraven, o Caçador e Venom 3 estarem no horizonte, é difícil imaginar que o fracasso de Madame Teia não leve a Sony a repensar seus projetos de live-action com personagens da Marvel.

A Bustle conversou recentemente com a estrela principal, Dakota Johnson, e perguntou se as últimas semanas foram “estranhas” para ela.

“Sim. Eu tive a estreia em Los Angeles de Madame Teia e depois fui para a Cidade do México. Eu tive pneumonia e estava tomando esteroides e usando o nebulizador, fazendo todas essas coisinhas, e eu estava realmente, realmente doente e me sentindo horrível. Eu parecia horrível,” diz a atriz. “Eu estava tipo, ‘Aff.’ E então o filme foi lançado e foi… [Pausa.] Tipo, eu não consigo levar nada disso a sério. Eu não sei.”

O veículo questionou se a incomodava ver as pessoas escrevendo o que descreveram como críticas “maldosas”, ao que ela respondeu: “Infelizmente, não estou surpresa que isso tenha acontecido da forma como aconteceu.”

Reflexões sobre a produção e filmes do gênero

Johnson sugeriu que a versão de Madame Teia que vimos nos cinemas não era o mesmo filme pelo qual ela havia assinado contrato, parecendo culpar o estúdio por tomar decisões que afastaram o público. Ela abordou o fracasso diretamente e confirmou que provavelmente esse foi seu último projeto em filmes de super-heróis, admitindo: “eu não me encaixo nesse mundo.

“É tão difícil fazer filmes, e nos grandes filmes que são feitos — e isso até mesmo está começando a acontecer com os pequenos, o que realmente me assusta — decisões estão sendo tomadas por comitês, e a arte não se sai bem quando é feita por comitês. Filmes são feitos por um cineasta e uma equipe de artistas ao redor deles.”

“Você não pode fazer arte baseada em números e algoritmos. Há muito tempo sinto que o público é extremamente inteligente, e os executivos começaram a acreditar que não são. O público sempre conseguirá identificar a falsidade. Mesmo que os filmes comecem a ser feitos com IA, os humanos não vão querer ver isso.”

“Mas definitivamente foi uma experiência para mim fazer esse filme. Eu nunca havia feito nada parecido antes. Provavelmente nunca farei nada parecido novamente porque eu não me encaixo nesse mundo. E agora eu sei disso. Mas às vezes nesta indústria, você se compromete com algo, e é uma coisa e então, conforme você está fazendo, torna-se uma coisa completamente diferente, e você fica tipo, ‘Espera, o quê?'”

“Mas foi uma verdadeira experiência de aprendizado, e claro que não é legal fazer parte de algo que é destruído, mas não posso dizer que não entendo.”

Houve rumores de que Madame Teia se conectaria diretamente com o Homem-Aranha (seja as Variantes de Andrew Garfield ou Tom Holland, não está claro), mas, para quem assistiu ao filme, é difícil acreditar que exista uma versão tão diferente. Morbius, por outro lado, mostrou sinais claros de refilmagens.

O que sabemos é que Madame Teia passou por muitas mudanças de última hora, com Claire Parker e SJ Clarkson reescrevendo o roteiro de Matt Sazama e Burk Sharpless e Lorenzo di Bonaventura entrando de forma aleatória para produzir no lugar do executivo da Sony/Marvel, Avi Arad, que divide opiniões. Talvez Johnson tenha sido convencida de um filme muito diferente? De qualquer forma, ela parece concordar com as críticas.

Madame Teia está em exibição nos cinemas.

Foto do autor

Leo Carvalho

Leo Carvalho, jornalista de formação e nerd de coração, é um observador atento das tendências do entretenimento, em especial filmes e séries da Marvel e Star Wars. Sua formação acadêmica em jornalismo e entusiasmo de fã lhe permitem escrever textos com insights, análises detalhadas e olhar crítico.

Deixe um comentário