Marvel libera trecho do livro (real) de Scott Lang, o Homem-Formiga

Biografia-Homem-Formiga Marvel libera trecho do livro (real) de Scott Lang, o Homem-Formiga

Em Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania, descobrimos que Scott Lang (Paul Rudd) escreveu um livro de memórias, do qual ele lê um trecho em um evento de autógrafos pouco antes de ser puxado para o Reino Quântico para um confronto com Kang, o Conquistador (Jonathan Majors).

Foi anunciado recentemente que o livro completo, Look Out for the Little Guy! (Cuidado com o Cara Pequeno!, em tradução livre) foi concluído e agora está disponível para pré-venda nos Estados Unidos.

Não temos certeza de quem realmente escreveu a biografia, já que a Marvel está mantendo o clima de encenação, mas foi disponibilizado um longo trecho em que Lang explica por que decidiu documentar suas aventuras com os Vingadores antes dos eventos de Quantumania.

É uma leitura bastante interessante, já que Scott nos leva de volta à sua vida antes do primeiro filme do Homem-Formiga, nos dando mais insights sobre por que ele acabou atrás das grades e qual foi sua inspiração para tentar mudar sua vida. Veja a seguir.


Livro-Scott-Lang Marvel libera trecho do livro (real) de Scott Lang, o Homem-Formiga

OLÁ. COMO VAI. E AÍ! Cara, eu odeio apresentações.

Se você está lendo este livro, antes de tudo, obrigado! Mesmo que eu possa tornar meu corpo tão grande quanto o Empire State Building, alguns dias minha autoestima fica, bem, do tamanho de uma formiga. Talvez isso seja um risco ocupacional de ser um Vingador e trabalhar ao lado das pessoas mais poderosas e inteligentes da Terra, mas o sentimento ainda está lá. Mesmo quando eu lembro que ajudei a salvar metade do mundo.

De qualquer forma, meu nome é Scott Lang. Talvez você já me conheça ou já tenha me conhecido como “Homem-Formiga”. Eu estive envolvido em algumas coisas de Super-Herói que você pode ter ouvido falar, algumas coisas de Super-Herói que provavelmente você não ouviu falar e algumas coisas de Super-Herói que você pode estar cansado de ouvir falar – pelo menos se você for como minha família imediata.

Mas quem é Scott Lang? Bem, eu sou apenas um cara branco, de meia-idade, que foi para uma faculdade nerd elegante, casou e conseguiu um emprego sólido de colarinho branco. Costumava trabalhar como um cara de informática na VistaCorp, uma enorme empresa de tecnologia que lida com segurança. (Oh, a ironia disso, mas espere só!) Minha esposa, Maggie, e eu tivemos uma filha chamada Cassie, e estávamos indo para uma vida suburbana descomplicada e pacífica fora de São Francisco.

Quer dizer, claro, na nossa TV, estávamos vendo o mundo ocasionalmente sendo atacado por seres estranhos. Mas também vimos esse incrível grupo de Super-Heróis chamado Vingadores, que sempre conseguiam aparecer exatamente quando eram necessários e mandar aqueles vilões de volta … para longe. Do nosso planeta. E da minha vida.

No entanto, ainda havia alguns vilões bem aqui na Terra. Especificamente, no meu local de trabalho.

Conforme eu descobria com o tempo, minha empresa não estava completamente de acordo com as regras. Sob a (má) orientação do meu chefe, a empresa em que eu estava trabalhando, a VistaCorp, começou a usar sua destreza em segurança para tirar vantagem dos clientes. Especificamente, alguém ignorou ou deliberadamente criou um erro no software de processamento de pagamentos, desviando milhões de dólares das contas dos clientes.

Decidi que não estava bem com isso.

Após várias tentativas de resistir à empresa, tentativas que alguém poderia descrever como “legais” ou “razoáveis” ou “aconselháveis”, decidi seguir uma direção diferente.

Gostaria de começar com os aspectos positivos: devolvi cinco milhões de dólares aos nossos clientes e expus as ações nefastas da VistaCorp ao público.

E, por outro lado, também dirigi um carro esportivo extremamente caro para dentro de uma piscina extremamente cara e a mim mesmo para a Penitenciária Federal de San Quentin por três anos.

Pior ainda, foi também por volta desse momento que meu casamento com a Maggie terminou. Não quero entrar nos detalhes do porquê – isso é estritamente coisa de Scott-Maggie – mas digamos apenas que “marido de repente indo para a prisão por três anos” não foi exatamente um salvador de casamento.

Mais criticamente, no entanto, aquele divórcio, mais a prisão, efetivamente me separou da minha querida e doce filha, Cassie. Por muitos dos seus preciosos primeiros anos. Eu me perguntava se ela e eu teríamos sequer a chance de estabelecer uma conexão.

Eventualmente, cumpri minha sentença, saí de San Q e tentei me reconectar com o mundo. Mesmo que o mundo não parecesse muito certo do que fazer comigo ainda. Não consegui arrumar um emprego com uma condenação no meu registro. Eu não tinha fundos nem um lugar para ficar. Mesmo minha única tentativa alegre de me reunir com a Cassie foi interrompida pela Maggie e seu noivo, me dizendo que eu tinha que colocar minha vida em ordem antes que pudéssemos falar sobre visitação ou custódia compartilhada.

No entanto, felizmente, havia um cara que realmente tinha um uso para mim.

A menos que você tenha passado os últimos anos em uma caverna (ou,

digamos, um reino subatômico), você provavelmente ouviu pelo menos falar de Tecnologias Pym. Ou pelo menos, de Hank Pym.

Se você ainda não ouviu falar, Hank Pym foi o inventor da Partícula Pym, uma incrível descoberta científica. As Partículas Pym têm o poder de causar redução ou expansão molecular em grandes escalas em qualquer direção. Em outras palavras, elas podem fazer qualquer coisa ficar super pequena ou super grande. Hank e sua esposa, Janet Van Dyne, usaram isso diretamente em si mesmos, realizando inúmeras ações heroicas como o Homem-Formiga original e a Vespa.

E fora do mundo dos Super-Heróis, Hank começou uma operação de pesquisa e desenvolvimento séria conhecida como Tecnologias Pym. Mas há alguns anos, a Pym Tech caiu nas mãos pouco escrupulosas de pessoas que queriam explorar suas descobertas para uso no campo de batalha – e vender a tecnologia resultante para pessoas com quem realmente não queremos estar em batalha! Naquele ponto, Hank havia sido afastado da empresa que literalmente tinha seu sobrenome na porta. Mas ele sabia o que estava sendo planejado com a sua invenção, e que isso precisava ser interrompido. Então ele … vamos dizer “me contratou” para recuperar suas criações da Pym Tech.

Espera aí, Scott! é provavelmente o que você está pensando agora. Como saltamos de disputas de custódia para espionagem de biotecnologia?

Bem, bem na época em que eu estava saindo da prisão, tentando me encontrar, Hank Pym – que eu não conhecia na época – me encontrou. Hank tinha pesquisado sobre mim e sabia que eu era habilidoso tanto com eletrônica quanto com furtos. E o mais importante, ele sabia que eu não tinha mais nada a perder.

Sem que eu soubesse, ele “me testou” me incentivando a roubar o traje do Homem-Formiga de seu cofre altamente formidável. Depois que tive sucesso nisso, Hank e sua filha, Hope Van Dyne, meio que “me roubaram” da custódia policial, me ofereceram o trabalho (como se eu tivesse escolha!), E então me treinaram para realizar um dos roubos de alta tecnologia mais malucos já feitos.

Então, devolver a tecnologia militar potencialmente ameaçadora ao seu criador legítimo, e é de volta à paz, certo?

Errado.

Literalmente, não muito tempo depois de eu ter executado a operação da Pym Tech (com uma ajuda de alguns velhos companheiros de prisão e algumas formigas extremamente habilidosas), me vi cara a cara com os Vingadores.

Bem, dois deles, de qualquer forma. Capitão América e Falcão. Acredite em mim, dois é mais do que suficiente! Eu já tinha tido uma briga com o Falcão, mas agora ele e o Capitão (como eu logo chamaria, sem grandes problemas) realmente queriam a minha ajuda.

Uau. Quero dizer, uau! Não era apenas cientistas rabugentos semi-aposentados me rastreando mais – agora eu tinha chamado a atenção dos Maiores da Terra.

Então, o que eles queriam de mim era … um pouco confuso. Basicamente, os Vingadores tiveram uma grande divisão interna por causa de algo complicado demais para entrar em detalhes aqui, e o Capitão e o Falcão queriam um músculo fresco (e altamente adaptável ao tamanho) do lado deles. Especialmente quando tudo isso culminou em uma grande briga de Vingadores contra Vingadores em um aeroporto na Alemanha. Alemanha! Eu tinha acabado de passar três anos em uma cela minúscula. Agora, de repente, eu estava “fazendo a Europa”?

Não quero entrar em detalhes sobre o conflito (e, na verdade, estou sob a obrigação legal de não fazê-lo), mas digamos que eu possa ter estado do lado mais “durão” disso.

No final, aquela briga inteira foi resolvida, como você sabe. Caso contrário, nosso planeta seria um campo de batalha arrasado de brigas intermináveis entre Vingadores.

Então … paz na Terra agora?

Não. Isso foi quando – graças a Thanos – metade de toda a vida no universo des

apareceu. Então não, não há paz na Terra ou em qualquer outro lugar.

Eu não estava por perto durante esses cinco anos de pessoas desaparecidas (você vai descobrir por que em breve), mas voltei bem a tempo, pulei para uma linha do tempo diferente, lutei, tipo, contra todos os vilões do universo em um campo no norte do estado de Nova York, ajudei os Vingadores a deterem Thanos e coloquei todas as pessoas de volta onde deveriam estar. Incluindo, por último, mas não menos importante, juntar minha querida Hope novamente comigo!

Como você pode imaginar, aquilo foi … muito.

Então, desde então, tenho tentado levar as coisas um pouco mais fácil. Curando feridas. Reconectando com aqueles que eu perdi. Refletindo sobre o que tudo isso significa.

Ah sim, e é claro, escrevendo este livro!

E se você realmente quiser conhecer quem é Scott Lang, ler este livro é onde eu recomendaria que você começasse.

Portanto, neste ponto, aposto que você também tem uma pergunta muito séria – uma que fiz a mim mesmo mais de mil vezes por dia enquanto escrevia isso:

Por que diabos Scott Lang é o primeiro Super-Herói a escrever um livro?

Quer dizer, entre nós, estou orgulhoso de ser um Vingador, mas às vezes também me sinto como um “novato”. Claro, eu estive lá no momento decisivo, mas em termos de beisebol, eu não sou um titular – sou um DH (herói designado).

Aqui está como eu vejo: Eu sou o “Vingador comum”. Eu sou aquele com quem você poderia tomar uma cerveja, aquele a quem você se sentiria bem em pedir para cuidar do seu cachorro quando você estiver fora ou para uma carona até o aeroporto. Eu não sou um Soldado Super ou um bilionário (a menos que este livro seja super bem-sucedido), apenas um pai comum, fã do San Francisco Giants e um cara que cometeu erros dos quais ainda estou tentando corrigir.

Em uma palavra, sou um cara comum que foi jogado – mais de uma vez – em circunstâncias extraordinárias.

E sei que isso ainda não responde completamente a pergunta de por que escrevi este livro.

A resposta simples é: “Os Vingadores me pediram.”

Um dia, Bruce “o Hulk” Banner e Clint “Gavião Arqueiro” Barton me levaram para almoçar. Eles disseram que estavam preocupados que o mundo realmente não soubesse o que tinha acontecido com Thanos e o Estalo e nossa longa luta para finalmente colocar as coisas de volta nos eixos.

No começo, como geralmente faço quando confrontado com tópicos pesados, fiz uma piada: “Tenho quase certeza de que pelo menos metade do mundo sabe o que aconteceu.”

Bruce respondeu que sim, é claro, bilhões tinham experimentado esses eventos chocantes e de mente confusa, mas eles não sabiam a história completa por trás deles. E, no final das contas, é isso que as pessoas mais precisam para superar e superar eventos traumáticos: uma narrativa que ajude a fazer sentido de tudo.

“Ok”, concordei. “Plano sólido. Então quem você vai chamar para contar essa história?”

Clint respondeu: “Você, Scott. Você é o cara que foi pego em tudo isso bastante recentemente. Você ainda tem um pé no mundo deles. E você é um cara que todos gostam … e confiam.”

E Bruce selou o acordo: “É coisa difícil, e ninguém sabe como manter as coisas leves como você.”

Bem. Eu ainda tinha muitas dúvidas. Eu dificilmente fui testemunha ocular de quase toda essa história. Eu não estava por perto na Batalha de Wakanda, ou em qualquer um dos eventos que levaram Thanos a reunir as várias Joias do Infinito.

Mas quase imediatamente, eu sabia qual seria minha resposta. Na minha opinião, quando os Vingadores pedem que você faça um trabalho – qualquer trabalho – você diz sim. Então eu disse. Dois apertos de mão rápidos (Bruce – agora permanentemente em seu corpo de Hulk – se certificou de não apertar muito forte) e estava resolvido. Eles me forneceriam todas as filmagens e documentação arquivística, me levariam a qualquer lugar que eu precisasse ir e me deixariam fazer quantas perguntas fossem necessárias.

A única coisa é que, na verdade, não estava 100% resolvido para mim – por dentro. Da confiança máxima de ter dois Super-Heróis incríveis confiando em você, houve um declínio assustadoramente acentuado na autodúvida. Mesmo com suas razões sensatas, todo o assunto mexeu com uma pergunta que tem me atormentado a maior parte da minha vida adulta:

Por que eu?

Tenho me questionado sobre isso desde antes mesmo de conhecer os Vingadores. Lá atrás, quando eu trabalhava na VistaCorp, por que fui o único que não conseguia dormir à noite depois de descobrir todo o dinheiro que eles estavam roubando dos clientes? Por que basicamente abandonei meu emprego, meu casamento, e passei três anos em San Quentin, apenas para poder ser o Robin Hood?

E finalmente, e isso ainda dói, quando os negócios sujos da VistaCorp foram expostos ao mundo, por que fui eu quem acabou pagando por isso?

Não sei as respostas para essas perguntas. E talvez nunca saiba.

Nem mesmo o Doutor Estranho pode me dizer, e acredite em mim, não é por falta de perguntar. Depois que a poeira roxa assentou da Batalha da Terra, eu tentei me aproximar do cara. Digamos apenas que ele estava ou relutante ou desinteressado em me contar sobre qualquer um dos meus 14.000.605 passados possíveis.

Mas aqui está o que eu sei. Essa experiência VistaCorp/prisão me ensinou que nosso mundo está quebrado. E que nunca será consertado a menos que pessoas como eu – as improváveis – assumam a responsabilidade.

E quando Hank Pym me tirou do grupo de ex-presidiários e me colocou para trabalhar como Homem-Formiga 2.0, comecei a vislumbrar os contornos mais nebulosos de um “porquê” para mim. Talvez todos aqueles anos difíceis que eu tinha acabado de passar fossem na verdade preparação para um propósito maior.

O que é algo bom, porque logo após minha primeira atuação como herói, fui recrutado para aquele negócio assustador e confuso com os Vingadores lutando contra outros Vingadores na Alemanha, fui enviado para uma prisão submarina de segurança máxima, e mais uma vez, tive que assumir a culpa e passar mais dois anos em prisão domiciliar.

Por que eu de novo?

Ainda não tenho a resposta perfeita, mas comecei a vislumbrar uma. Vai parecer estranho para um cara cujo sucesso – e muitas vezes a vida – depende da mecânica quântica, mas basicamente, tive um pressentimento.

Mesmo enquanto era arrastado de um cenário aparentemente inimaginável para outro, solicitado a fazer coisas que eu nunca teria sonhado serem possíveis, comecei a perceber que muitas coisas incríveis eram, de fato, possíveis – e eu estava fazendo essas coisas. E elas começaram a parecer cada vez mais, sem um termo melhor, certas.

Eu sei que esse é o tipo de sentimento que meus colegas Vingadores sentem durante uma missão ou uma batalha, e talvez eles tenham se acostumado com isso, mas eu estou finalmente chegando lá. A sensação de que, mesmo quando enfrentamos os inimigos mais aterrorizantes imagináveis, mesmo com as probabilidades imensamente contra nós, se estivermos trabalhando lado a lado com outros para servir a um bem maior, estamos no lugar certo, fazendo a coisa certa. Para nós.

E honestamente, essa é a história real por trás de toda a saga dos Vingadores. É a que eu achei mais essencial compartilhar com todos vocês. Essa foi a razão mais profunda pela qual eu disse sim para aqueles dois Vingadores no balcão do restaurante. Porque eu sabia que, mais uma vez, estava sendo chamado a fazer o que parecia impossível (ou pelo menos, altamente inapropriado) – mas em vez disso, deixei o sentimento tomar conta e me guiar.

E percebi que precisava compartilhar esse sentimento com vocês.

Porque no final do dia, ninguém pode prever onde a vida vai nos puxar, de forma inesperada e aparentemente fora de nosso alcance. Steve Rogers se alistou para lutar, imaginando que só iria até onde um cara franzino pode chegar em tempos de guerra. Tony Stark era brilhante e bem-sucedido, mas sei que uma parte dele se perguntava se ele conseguiria se livrar da sombra de seu pai. Até o Doutor Estranho, em todo o seu sucesso profissional, nunca poderia ter imaginado se tornar um Mestre das Artes Místicas – ou mesmo que tal coisa existisse!

E essa mesma imprevisibilidade é tão verdadeira para você quanto para mim. O que você faria se a vida o reduzisse de tamanho e o jogasse em uma banheira cheia por seu antigo colega de prisão? Ok, talvez isso só tenha acontecido comigo. Mas e quando a vida o manda embora do seu emprego de três anos e direto para uma cela de prisão – porque você ousou denunciar a ganância de sua empresa?

Você não pergunta por quê. Você pergunta: “Para onde vou a partir daqui?”

Porque essa é a missão que a vida tem para você, pelo menos neste momento, e é o tipo de trabalho do qual você não pode desistir.

Você pode correr, mas não pode se esconder – nem mesmo se você puder diminuir de tamanho e pular em uma banheira.

Agora, eu sei que disse antes que eu não tenho, tecnicamente, um superpoder. Mas olhando de outro modo, na verdade eu tenho. E a parte ainda mais legal é que todos vocês também têm.

Com a capacidade de mudar de tamanho à vontade, percebi que o mundo está cheio de “grandes caras” e “pequenos caras”. E, como era de se esperar, os primeiros estão sempre pisando nos últimos. Às vezes, isso é intencional, mas outras vezes, simplesmente devido ao status e à ambição deles, os grandalhões nem enxergam as pessoas trabalhadoras e comuns que estão apenas tentando seguir em frente.

É por isso que é sempre a missão de pessoas como eu – e, como vou mostrar ao longo deste livro, de vocês – cuidar dos mais frágeis. Isso é algo que todos nós temos a habilidade de fazer, se simplesmente escolhermos aceitar o trabalho.

Você está neste lugar e neste momento por um motivo, e ninguém mais está. E então, quando o próximo passo incerto, improvável e “impossível” lhe for revelado, eu instigo você com todas as partículas do meu corpo

, Pym ou não, a transformar aquele “Por que eu?” em um “Por que não eu?”

Pelo menos é o que tentei fazer quando prometi aos Vingadores que contaria a história deles. E a melhor maneira que conheço para fazer isso é contando minha história ao mesmo tempo. Porque, como aprendi, sempre que começo a falar sobre algo importante que aconteceu, também vejo as pequenas lições que podem ser aprendidas com isso, e quero compartilhar isso, para me ajudar e ajudar os outros.

Talvez seja porque não tive a chance de estar perto da minha filha Cassie durante muitos momentos de sua vida, para compartilhar o que aprendi com ela. Ainda estou trabalhando nisso, mas é difícil agora que ela já é adulta e já viu e experimentou tanto sem mim para orientá-la. Perdi essa oportunidade, mas acredite em mim, você está prestes a ter um livro inteiro de “sabedoria de pai” que está ansiosa para encontrar um lar.

Então é isso que pretendo fazer neste livro. Vou contar tudo, desde como eu vi, experimentei e ouvi em primeira mão dos meus colegas heróis. Vou levá-los ao mundo dos heróis.

Ao longo do caminho, você ouvirá minha história – a história de Scott Lang – desde onde comecei até o (formiga-) homem em que me tornei e ainda estou me tornando. Porque sou incrivelmente fascinante? Não. Porque minha vida – assim como a sua – perde metade do seu valor se não encontrarmos uma maneira de compartilhar suas lições com os outros.

E, finalmente, porque – se você não tirar nada mais das minhas palavras – o que quero compartilhar é que o que nos faz gigantes é o quanto cuidamos dos mais frágeis. Como ajudamos nossos semelhantes quando eles mais precisam. Como nosso maior superpoder pode ser simplesmente um ouvido atento, um olhar preocupado ou uma mão estendida. Como vestimos o “uniforme do herói” ao simplesmente aparecer e fazer o trabalho incrivelmente improvável que a vida nos entregou.

E falando em trabalhos, tenho um livro inteiro para escrever. Oh, por que concordei com isso? POR QUE EU?

Nos Estados Unidos, o livro estará disponível para venda a partir de 5 de setembro de 2023 por US$ 26,99.

Atualizado em 16/08/2023

Foto do autor

Leo Carvalho

Leo Carvalho, jornalista de formação e nerd de coração, é um observador atento das tendências do entretenimento, em especial filmes e séries da Marvel e Star Wars. Sua formação acadêmica em jornalismo e entusiasmo de fã lhe permitem escrever textos com insights, análises detalhadas e olhar crítico.

Deixe um comentário