Do riso às lágrimas: Steve Carell revela segredos de Michael Scott em The Office

Michael-Scott-The-Office Do riso às lágrimas: Steve Carell revela segredos de Michael Scott em The Office

The Office é considerada uma das maiores comédias da história da televisão, mas não seria tão amada hoje sem Steve Carell. O ator, que interpretou o chefe sempre equivocado, embora bem-intencionado, Michael Scott, era o coração do escritório da Dunder Mifflin em Scranton. Se alguém mais tivesse sido escalado para o papel, a versão americana do programa poderia nem ter passado da primeira temporada – muito menos se tornado o enorme fenômeno cultural que é hoje.

No audiobook Welcome to Dunder Mifflin, de Brian Baumgartner (ator de Kevin Malone) e Ben Silverman (produtor executivo de The Office), o elenco, a equipe e os roteiristas refletiram sobre a série, seus personagens e como foi dizer adeus. Carell relembrou seu tempo como Michael Scott, compartilhou por que amava o personagem e recordou a despedida do Melhor Chefe do Mundo.

Embora muitas pessoas tivessem dúvidas sobre The Office no início, Rainn Wilson disse que Carell sempre soube que a série era algo especial.

Depois de gravar o piloto, John, Jenna, Steve e eu fomos comer um sanduíche, na estrada em Culver City, daquele estudiozinho onde estávamos, para um sanduíche num lugarzinho ruim“, lembrou Wilson. “Steve disse: ‘Eu acho que isso pode ser realmente especial e estou apostando que esses são os papéis que nos definirão pelo resto de nossas vidas. Não importa o que façamos pelo resto de nossas vidas, é por isso que seremos conhecidos.'”

Ele estava certo. Carell conseguiu fazer um personagem tão problemático e ofensivo quanto Michael Scott se tornar amado, porque tinha compreensão do coração e das verdadeiras intenções de Michael.

Abordando o polêmico e o sensível

Michael-Scott-e-Andy-Bernard Do riso às lágrimas: Steve Carell revela segredos de Michael Scott em The Office

Ao conversar sobre um dos episódios mais controversos da série, “Dia da Diversidade”, que mostra Michael organizando um treinamento profissional sobre diversidade no escritório, Carell e Baumgartner enfatizaram que, apesar dos momentos insensíveis e constrangedores de Michael, ele sempre estava tentando fazer o bem.

É por isso que me irrito um pouco quando as pessoas tentam rotular o Michael como racista. Ele é uma pessoa com um coração incrivelmente bom e gentil que carece de muita informação sobre o mundo ao seu redor. Ele estava tão adormecido em um mundo desperto quanto poderia estar“, disse Carell, rindo. “Michael está tentando o seu melhor! Há uma diferença entre ser intolerante e ser ignorante. Às vezes a intolerância e a ignorância andam de mãos dadas, com certeza. Mas eu acho que ele era um ser humano muito sincero e decente. Ele simplesmente não… entendia tudo o tempo todo, sabe?

Quando perguntado se ele sempre procura o bem nos personagens que interpreta, Carell basicamente disse que sim.

Acho que você tem que fazer isso, porque caso contrário, você está apenas demonizando ou julgando-os. E se você estiver fazendo isso, você vai interpretá-los de forma diferente“, explicou. “Você não quer editorializar sobre eles.

Ele continuou dizendo que, embora Michael cometesse erro após erro, em sua essência, ele amava as pessoas e queria fazer todos felizes.

Michael falava demais o tempo todo, dizendo coisas inadequadas, mas eu não acho que ele valorizasse um tipo de pessoa sobre outro“, disse Carell. “E dessa maneira, eu acho que ele era um personagem muito puro. Ele era muito ingênuo em termos de correção política e adequação em público. Mas, ao mesmo tempo, eu simplesmente não acho que havia dureza em seu coração em relação a alguém.”

É tudo uma questão de intenção

Michael-Scott-The-Office Do riso às lágrimas: Steve Carell revela segredos de Michael Scott em The Office

O criador Greg Daniels e o roteirista Mike Schur, que também interpretou o primo de Dwight, Mose Schrute, no programa, concordaram com os pensamentos de Carell sobre Michael. Eles também citaram as intenções do personagem como uma de suas qualidades mais redentoras.

Sempre se trata da intenção“, disse Daniels. “Se Michael tem uma pureza de intenção, ele pode fazer as piores coisas do mundo para a comédia. Mas como público, você percebe que ele não fez isso para ser cruel ou para ser um idiota. Ele está tentando, e ele apenas tem habilidades sociais precárias.”

A ideia de sombrear, matizar e estratificar o chefe maluco foi revolucionária. Quando Ricky [Gervais] e Stephen [Merchant] fizeram isso, foi revolucionário. E eu acho que a versão americana fez isso ainda melhor“, refletiu Schur. “Tivemos tempo para investir apenas em entender a psicologia de Michael Scott. Lembro-me de Greg dizer aos roteiristas naquele discurso, ‘Podemos fazer o que fizemos da última vez e ser cancelados [referindo-se à versão cancelada do Reino Unido, que tinha um personagem Michael Scott menos adorável], ou podemos mudar e podemos durar 10 anos.‘”

Entendendo Michael Scott

O audiobook também observa que certos episódios, como o da segunda temporada “Leve Sua Filha para o Trabalho”, que mostra Michael relembrando um momento triste de sua infância, oferecem aos espectadores informações reveladoras de sua psicologia e indicam as maneiras como sua criação moldou o adulto que conhecemos.

Acho que Michael é um cara decente com muito coração, mas baseado em sua infância e nas coisas que ele não teve enquanto crescia, coisas das quais foi privado, ele estava tão faminto por aceitação“, disse Carell. “Eu não acho que ele tinha os melhores modelos no mundo para seguir, mas acho que ele também aprendeu e evoluiu e se tornou uma pessoa melhor ao longo do caminho. Ele se tornou mais consciente quando foi capaz de começar a olhar para fora de si mesmo e suas pequenas excentricidades para poder ver um pouco mais do mundo ao seu redor.

A difícil despedida de Michael Scott

Michael-Scott-The-Office-1 Do riso às lágrimas: Steve Carell revela segredos de Michael Scott em The Office

Carell estava investido no crescimento do personagem Michael ao longo da série e queria que ele tivesse um arco significativo e perceptível. “Michael Scott, em sua essência, quer ser amado“, explicou Carell.

Como pessoa, chefe e amigo, Michael certamente evoluiu do início da primeira temporada até o final da sétima. Mas foi só quando ele encontrou sua alma gêmea, Holly, que as coisas realmente se encaixaram no desenvolvimento do personagem.

Acho que Michael era um pouco míope e se tornou mais consciente quando foi capaz de começar a olhar para fora de si mesmo e suas pequenas excentricidades. Ele pôde ver um pouco mais sobre o mundo ao seu redor“, disse Carell.

Seis meses antes de deixar a série, Steve Carell conversou com Daniels sobre como ele queria que a história de Michael terminasse.

A ideia que propus foi, obviamente, ele seguir em frente e ele e Holly ficarem juntos. Já tínhamos falado sobre isso antes. Mas no seu último dia, pensei que deveria haver uma festa sendo planejada, mas Michael basicamente deveria enganar as pessoas fazendo-as pensar que ele estava saindo no dia seguinte [e, na realidade, ir embora antes da festa]. Achei que isso seria a representação mais elegante de seu crescimento como ser humano“, explicou Carell. “Michael vive para ser celebrado durante toda a série. Isso é tudo o que ele quer. Ele quer ser o centro das atenções e quer tapinhas nas costas. Ele quer que as pessoas achem que ele é engraçado e charmoso e todas essas coisas. Mas o fato de ele se afastar de sua grande homenagem, de sua grande despedida, e poder, de uma forma muito pessoal, se despedir de cada personagem, isso para mim parecia que iria ressoar.”

Carell também disse que sentiu que a história de Michael terminou como deveria quando ele deixou a série em 2011, mas se despedir ainda foi muito doloroso para ele e seus colegas.

Foi uma tortura emocional“, disse ele. “Imagine se despedir por uma semana. Não era um ‘Até logo’ e você acena e sai. Estava repleto de emoção e alegria e tristeza e nostalgia. Mas também foi realmente bonito porque me permitiu ter uma finalidade com todos.”

Embora alguns fãs da série certamente desejem que Carell nunca tivesse saído e que o programa pudesse ter continuado para sempre, Michele Dempsey, copresidente da Convenção de The Office (uma convenção de fãs que foi lançada em 2007 e durou mais de uma década) e da festa de encerramento de The Office, compartilhou algumas palavras de sabedoria de Carell com Baumgartner.

Ouvi Steve Carell dizer a um pequeno grupo de pessoas na festa de encerramento, ‘Não fique triste porque acabou, fique feliz por ter acontecido‘”, disse ela.

The Office foi removida do Star+, mas ainda está disponível em várias plataformas, incluindo Netflix, Prime Video e HBO Max.

Atualizado em 17/01/2024

Foto do autor

Leo Carvalho

Leo Carvalho, jornalista de formação e nerd de coração, é um observador atento das tendências do entretenimento, em especial filmes e séries da Marvel e Star Wars. Sua formação acadêmica em jornalismo e entusiasmo de fã lhe permitem escrever textos com insights, análises detalhadas e olhar crítico.

Deixe um comentário