CEO admite que a Disney ‘matou alguns projetos’ sem divulgação

Bob-Iger-Disney CEO admite que a Disney 'matou alguns projetos' sem divulgação

Como qualquer outra empresa da indústria cinematográfica, a Disney e seus estúdios enfrentaram desafios significativos durante a pandemia, com o fechamento de cinemas e a alteração nos hábitos dos espectadores. Apesar dos triunfos recentes como Avatar: O Caminho da Água, a gigante do entretenimento não alcançou a marca de um US$ 1 bilhão em lançamentos de 2023. A adaptação a esses tempos incluiu uma reestruturação significativa e um enfoque renovado na qualidade sobre a quantidade.

Durante uma sessão de perguntas e respostas na Conferência de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Morgan Stanley, o CEO da The Walt Disney Company, Bob Iger, discutiu várias medidas adotadas para recuperar a liderança de mercado da empresa.

“Como estúdio que foi número um em bilheteria por sete de oito anos, isso não foi acidente,” destacou Iger, enfatizando a combinação de franquias fortes e execução eficaz tanto na gestão quanto no lado criativo. “Você tem que colocar na linha de produção coisas em que realmente acredita. E sabemos que estamos trabalhando nisso.”

Uma consequência dessa nova abordagem foi a decisão de cancelar projetos em que a empresa não acreditava mais. “Você tem que matar coisas em que não acredita mais, e isso não é fácil neste negócio. Na verdade, tomamos essas decisões difíceis. Não divulgamos isso tão publicamente, mas já matamos alguns projetos, que simplesmente não sentíamos que eram fortes o suficiente”, disse Iger, sem especificar quais filmes ou séries foram engavetados.

Foco na qualidade vs. quantidade

Moana-2 CEO admite que a Disney 'matou alguns projetos' sem divulgação

A Disney enfrenta críticas pela quantidade de remakes em live-action de clássicos animados e pela qualidade variável de produções recentes. No entanto, Iger expressou confiança no futuro, destacando a importância de se concentrar em projetos de alta qualidade.

Ele também abordou a questão da fadiga dos super-heróis, negando que seja um problema de interesse do público. “As pessoas querem filmes ótimos. E se você construir algo ótimo, elas virão,” afirmou, citando Oppenheimer como exemplo de conteúdo de qualidade que ainda atrai grandes audiências.

Com a volta de Bob Iger como CEO no final de 2022, a Disney iniciou um período de ajuste estratégico, buscando equilibrar melhor sua produção com foco em melhorias significativas na qualidade.

Iger citou vários filmes esperados, como Deadpool & Wolverine, Planeta dos Macacos: O Reinado, Divertida Mente 2 e Moana 2, como parte dos esforços para reafirmar a posição de liderança da Disney no entretenimento.

Este movimento para “matar” projetos que não atendem aos padrões elevados da Disney, embora difícil, é visto como uma medida necessária para manter a integridade e a qualidade da marca, garantindo que apenas os melhores conteúdos cheguem ao público.

Foto do autor

Leo Carvalho

Leo Carvalho, jornalista de formação e nerd de coração, é um observador atento das tendências do entretenimento, em especial filmes e séries da Marvel e Star Wars. Sua formação acadêmica em jornalismo e entusiasmo de fã lhe permitem escrever textos com insights, análises detalhadas e olhar crítico.

Deixe um comentário